Surto de desinformação: robôs disparam 45% dos tuítes sobre a covid-19

Leia também

A avalanche de mentiras sobre a covid-19 já foi definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como a “infodemia”, o surto de desinformação. Um novo levantamento atestou o quadro. Segundo a pesquisa, quase metade das contas que têm produzido mensagens sobre o novo coronavírus no Twitter durante a pandemia são, na verdade, robôs.

O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos. Eles analisaram 200 milhões de tuítes sobre a pandemia publicados desde janeiro. Desse universo, 45% saíram de contas que se comportaram mais como um bot do que como um humano.

Esse comportamento pode ser detectado, por exemplo, quando a mesma conta coloca tuítes no ar a partir de diferentes países – e em intervalos de poucas horas. Isso seria virtualmente impossível de ocorrer se o texto fosse de uma pessoa de verdade.

Nas contas que os pesquisadores identificaram como robôs, havia mais de 100 diferentes fake news e narrativas mentirosas sobre a pandemia. A lista incluía teorias da conspiração como a falsa correlação entre o coronavírus e a tecnologia de transmissão de dados 5G e imagens de manequins ​​em hospitais para passar a falsa sensação de que havia uma crise de saúde pública. Semear divisões na América era um dos principais objetivos das contas de bot que os pesquisadores identificaram.

Kathleen Carley, professora de ciência da computação da Universidade Carnegie Mellon que conduziu o estudo, disse à rede pública NPR que as pessoas devem permanecer atentas ao lerem tuítes sobre a pandemia. “Mesmo que alguém pareça pertencer à sua comunidade, se você não a conhece pessoalmente, cheque melhor e sempre vá a fontes autorizadas ou confiáveis ​​para obter informações”, afirmou.

Clique aqui e leia no Vida de Empresa histórias sobre como as companhias estão enfrentando o coronavírus.

- Publicidade -

Outras notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Mais recentes

Desemprego de jovens na pandemia pode criar “herança de décadas”

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens, afetados pelo aumento do desemprego e mais expostos a trabalhos precários. Mais de uma a...

Cresce o número de pessoas que evitam notícias sobre o coronavírus

Nos primeiros meses da pandemia, a busca por novidades sobre o assunto disparou. No fim de março, com o avanço do coronavírus, o tráfego...

Como Portugal tem combatido as fake news na pandemia

Por Marcos Freire*, de Ovar (Portugal), especial para o Vida de Empresa Parece não ser exagero dizer que as notícias sobre a pandemia - as...

Pandemia: anúncio com tom “estamos com você” já não mobiliza consumidor

Na pandemia, as pessoas passaram a consumir mais conteúdo - e isso inclui publicidade. Por um lado, isso reforça a importância de empresas e...

As vantagens dos escritórios que o home office (ainda) não tem

O trabalho remoto como norma, e não mais como exceção, tem sido amplamente considerado uma das mudanças trazidas pelo novo coronavírus que devem seguir...